sexta-feira, 15 de outubro de 2010


'Quando estamos longe,
fecho os olhos e visualizo aquela imagem meio desbotada,
mas ainda cheia de vida.


Sinto o cheiro do amor que não diminue na distancia,
ao contrário,
cresce na certeza da emoção do reencontro.
Respiro fundo.

Sinto um toque suave,
como o pousar de uma borboleta
tocando suavemente minha mão.

O sorriso começa na boca
e se espalha rapidamente, aquecendo o corpo
naquela presença-ainda-que-ausente.


[...]


Você faz a alegria dos meus dias...!'


Ni...

4 comentários:

Priscila Rôde disse...

Um sorriso que salva...

Lindo, Ni.

Solange disse...

uma presença que salva...

amei.

beijocas

Pérola Anjos disse...

Uma ausência às avessas.

Beijos, flor!

ErikaH Azzevedo disse...

E amar é isso, tornar os ausentes presentes, mesmo que só no sentir...o amar traz o outro pra perto.

Lindo Ni...lindo sim!
Bjos querida.

Erikah