sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010


'Tudo estava tão estranho.
O ar parado.
Ela se sentia solitaria dentro da redoma que criara.

De repente, vê um pequeno buraco que se forma naquela armadura.
O rasgo aumenta gradativamente
e em breve já pode divisar uma forma humana que força a passagem.

Ela se encolhe, com medo.

A pessoa chega, senta perto sem toca-la.
Fica ali, em total silencio, só oferecendo um afago no olhar.

Logo as palavras jorram desordenadas e não há mais defesas.


Ela sabe que encontrou um amigo...

...E como isso faz bem!'



Ni...

10 comentários:

MCI disse...

Ô se faz!
Sempre.

Beijos, querida.

Kakah* disse...

Nossa, que lindo! *-*
Adoreii...
Você coloca as palavras muito bem expressadas. Muito bonito!

Bjinhus

Felipe Braga disse...

E o frio se esvai...

Muito bonito isso, Ni.

Beijos.

Sonia Pallone disse...

Lindos versos Ni! Vc tem um jeito peculiar e intenso de escrever ...Um jeito que eu amo! Bjs

Josiane Szargiki disse...

Ni...me vi neste teu escrito...maravilhoso!

Beijos querida

Denise Portes disse...

Ni
Muito lido!
Obrigada por sua visita no meu blog e estamos juntas. Adorei o que li por aqui já sou seguidora aqui também
Um beijo
Denise

Manuella Monte Santo disse...

Tem coisa mais bela que um sentimento tão verdadeiro?

Beijos.

Sonia Schmorantz disse...

É o melhor bem que nos pode ser feito...
beijos,linda semana

Alexandre Fernandes disse...

Quando você está num deserto tudo pode ser absorvido. Como que te deixando ao esmo de uma sensação confusa e angustiante.

Mas quando você passar a ter outra pessoa, te dando os braços, o deserto não parece tão desafiador. E isso te dá força pra persistir.

Que maravilhoso Ni.

Beijo.
Saudades**
:)

Cris... disse...

Nivia, tenho te ligado, mas nao tenho conseguido falar com vc. Tá tudo bem? Saudade